Manifestações de Gleisi viram pólvora na bancada evangélica

Na análise dos legisladores que integram o colegiado, Gleisi pode dificultar as conversar do grupo com o presidente eleito

As manifestações recentes feitas pela presidente nacional do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann (PR), criticando declarações de apoio de lideranças religiosas ao presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT), serviram como pólvora entre os parlamentares que integram a Bancada Evangélica na Câmara dos Deputados. Na análise dos legisladores que integram o colegiado, Gleisi pode dificultar as conversas do grupo com o presidente eleito, que assume o comando do país no dia 1º de janeiro.

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann | Foto: DIVULGAÇÃO/AGÊNCIA BRASIL

As divergências entre os petistas e os integrantes da bancada evangélica não são recentes, mas tomaram proporções maiores nesta semana, depois que o bispo Edir Macedo, líder da Igreja Universal, pediu em uma live que os fiéis perdoem o presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O bispo era um dos aliados do atual presidente da República, Jair Bolsonaro (PL).

“Não podemos ficar com mágoa, porque é isso que o diabo quer”, disse Macedo. “O diabo quer acabar com sua fé, com seu relacionamento com Deus devido a Lula ou dos políticos. Não dá, não dá, minha filha, bola para frente, vamos olhar para frente”, pediu o bispo.

Gleisi, que é uma das integrantes da equipe de transição por parte do presidente eleito, usou suas redes sociais horas depois para destilar uma resposta repleta de ressentimentos, distante de aliados de Lula que defendem que as divergências religiosas precisam ser apartadas da política.

“Dispensamos o perdão de Edir Macedo. Ele é quem precisa pedir perdão a Deus pelas mentiras que propagou, a indução de milhões de pessoas a acreditarem em barbaridades sobre Lula e sobre o PT, usando a igreja e seus meios de comunicação para isso. A nossa consciência está tranquila”, bradou Gleisi Hoffmann.

Edir Macedo alinhou-se com todos os presidentes da República desde Fernando Collor (PTB-AL), em 1989. O bispo possui um histórico de idas e vindas com o petista. Quando Lula se candidatou pela primeira vez, ele incentivou a demonização do presidente eleito.

Em 1992, Macedo foi preso, acusado de charlatanismo, e Lula foi um dos poucos políticos a visitá-lo na prisão. Contudo, nas campanhas seguintes, a Universal voltou a hostilizar o petista. Briga que ficou para trás. Em 2002, ambos se reconciliaram, quando Lula elegeu-se pela primeira vez na história.

Já em 2018, inicialmente, o bispo optou por apoiar Geraldo Alckmin (PSB), vice-presidente eleito. No entanto, declarou apoio a Bolsonaro, quando ficou claro que o ex-governador de São Paulo não tinha chances de ganhar aquela eleição.

A pólvora Edir Macedo

Ainda que não tenha mandato, Edir Macedo exerce uma ampla influência sobre a bancada, que cresce sua importância no Parlamento a cada eleição. Dos 513 deputados, 20% integram a bancada. Entre os parlamentares do grupo está o o deputado federal mais votado, Nikolas Ferreira (PL-MG), que teve quase 1,5 milhão de votos.

É exatamente pela influência exercida que o ataque feito por Gleisi ao bispo causou desconforto entre os integrantes da Bancada Evangélica, que já se organizam para cobrar posicionamentos do novo governo a partir da próxima semana.

“Não se chega ao poder de salto alto, usando de arrogância contra um  líder de milhões. A arrogância precede a queda!”, afirmou o deputado federal Marco Feliciano (Republicanos-SP).

Captar o voto dos evangélicos foi uma das principais batalhas travadas por Lula nesta eleição. O PT chegou a criar núcleos de evangélicos em mais de 20 Estados para tentar recuperar os votos que perdeu entre 2016 e 2018. O próximo passo é a criação de comitês que unam líderes neopentecostais — vertente do cristianismo — aos demais partidos de esquerda, como o PSB. Tradicionalmente, os evangélicos são alinhados às pautas defendidas por Jair Bolsonaro (PL).

Facebook
Twitter
LinkedIn

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confira as notícias de hoje, fatos da política, economia e internacional, no maior Portal de Notícias do Brasil e do Mundo.

Confira as notícias de hoje, fatos da política, economia e internacional, no maior Portal de Notícias do Brasil e do Mundo.