Apresentador Gilberto Barros é condenado a dois anos de prisão por homofobia

Em seu programa no YouTube, apresentador disse que vomita ao ver dois homens se beijando; Barros poderá recorrer da decisão

Apresentador teve pena revertida em medidas restritivas de direito e terá que prestar serviços à sociedade

O apresentador Gilberto Barros foi condenado a dois anos de prisão por homofobia. A decisão foi tomada pela juíza Roberta Hallage Gondim Teixeira, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP). A condenação vem de ação baseada em um comentário feito por Barros em seu programa “Amigos do Leão”, exibido em seu canal do YouTube em setembro de 2020. Na ocasião, Barros disse que tinha que presenciar beijo entre homens porque havia uma boate LGBT em frente à Rádio Globo na década de 80 e afirmou: “Não tenho nada contra, mas eu também vomito. Eu sou gente, ainda mais vindo do interior. Hoje em dia, se quiser fazer na minha frente, faz. Apanha os dois, mas faz”, disse Barros. Por ser réu primário e ter uma pena inferior a quatro anos, a juíza substituiu a prisão por medidas restritivas de direito. Com isso, Barros deverá prestar serviço à comunidade pelo tempo da pena e pagar cinco salários mínimos, que serão revertidos na compra de cestas básicas. Cabe recurso

Facebook
Twitter
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confira as notícias de hoje, fatos da política, economia e internacional, no maior Portal de Notícias do Brasil e do Mundo.

Confira as notícias de hoje, fatos da política, economia e internacional, no maior Portal de Notícias do Brasil e do Mundo.